Vinhos Brancos de Excelência

Muitas vezes oiço dizer que não se gosta de vinho branco por múltiplas razões, mas talvez a principal penso que seja alguma falta de cultura de beber vinho branco em Portugal. Eu sou daqueles que tem o mesmo prazer a beber um bom vinho tinto como um bom vinho branco, mas a verdade é que a qualidade e a disponibilidade dos vinhos brancos até à pouco tempo não era comparável aos vinhos tintos. Mas também é verdade que o panorama está a mudar e as prateleiras das lojas e garrafeiras estão cada vez mais repletas de vinhos de excelente qualidade, muito por culpa do surgimento de novos produtores e da aposta na produção de qualidade.

Para provar que estes vinhos brancos fantásticos existem, dou nota de dois vinhos bebidos recentemente. Na mesa estiveram o Quinta da Bacalhôa 2008 e Esporão Private Selection 2009. Ambos complexos, com estágio em barricas de carvalho e com um blend de castas muito interessante e diferente. O primeiro, Bacalhôa, foi produzido a partir das castas Sémillon, Alvarinho e Sauvignon Blanc, enquanto que o segundo, Esporão, a partir das castas Semillon, Marsanne e Roussanne. As semelhanças são algumas, a começar pela casta Sémillon e pelo estagio em barrica, mas as semelhanças ficam-se por aqui. O Bacalhôa 2008 apresenta-se mais fresco e com alguma acidez, graças à presença de alvarinho. Já o Esporão 2009 mais maduro e polido.

Não me vou multiplicar em adjectivos como se fossem saídos de um verdadeiro especialista, e apenas dar-vos conta do prazer que este tipo de vinhos dá. Foi sem duvida um prazer bebe-los, aconselho-os vivamente a quem procura vinhos brancos de topo nacionais.

Facilmente se pode encontrar estes vinhos em garrafeiras, com preços a rondar os 16euros (Esporão) e os 13euros (Bacalhôa). Pode parecer algo excessivo o preço, mas compensa, acreditem (procurem por promoções ou algo do género, sempre ajuda a aliviar a carteira). Não esquecer que são vinhos que dependendo do ano merecem esperar algum tempo na garrafeira...







 

2 comentários:

  1. Amigo Jerónimo, subscrevo as tuas palavras :-) Temos tido a oportunidade de apreciar grandes vinhos brancos portugueses nos últimos tempos, grandes momentos vínicos... Estes que escolheste pudemos degustá-los na companhia de um não menos magnífico imperador no forno com batatinhas, o que ajudou também a evidenciar as suas melhores características... Grandes brancos nacionais, já naquela gama entre 10€ e 20€, mas sem dúvida que valem bem cada cêntimo! Uma última nota para concordar contigo: estes precisam de algum tempo na garrafeira para se mostrar, e no caso específico do Bacalhôa 2008, valeu bem a espera!! Esperemos que momentos como este se repitam muitas vezes!

    ResponderEliminar
  2. Caro Jenónimo, também eu tenho vindo a constatar uma crescente e consistente melhoria dos vinhos brancos em Portugal. Mesmo com custo à volta dos 10€ tenho-me deparado com inúmeros exemplos de vinhos equibilibrados com uma acidez muito refrescante e muito perfumados no nariz. Sem dúvida temos que agradecer aos produtores por este acréscimo de qualidade neste tipo de vinhos que também a mim me dão tanto prazer a beber como os vinhos tintos. Ainda não tive oportunidade de provar estes dois vinhos em particular que refere mas não posso deixar a oportunidade de deixar aqui o seguinte vinho (http://invinocredo.blogspot.pt/2012/05/ano-2011-produtor-fiuza-bright.html) que provei muito recentemente e que me deixou extremamente agradado tendo em conta o seu preço (4€).

    ResponderEliminar

UA-64594990-1